A Selic, sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia, é a taxa básica de juros da economia brasileira. Ela é usada pelo Banco Central para controlar a inflação no país e age com um norte para outras taxas da economia nacional. O valor desta taxa influencia diretamente em outras como LCI, LCA, CDB, debêntures e até mesmo no CDI.

Com tanta influência na economia brasileira, a taxa Selic é uma das principais observáveis quando o assunto é financiamento de imóveis. A alta ou baixa da taxa deve sempre ser levada em consideração ao adquirir um imóvel, já que, dependendo de seu percentual, o valor do financiamento pode sofrer reajustes.

Como assim?

·         Quando a taxa Selic sofre um aumento, por exemplo, de 10% para 12%, o valor do financiamento também é reajustado. Com o imóvel custando mais caro, consequentemente, diminui a procura dos clientes.

·         Com uma baixa na taxa, por exemplo, de 10% para 7%, o que ocorre é um movimento inverso. As taxas de financiamento caem e a procura por imóveis sobe, aumentando assim o movimento no mercado imobiliário.

Desta forma é de extrema importância observar o valor da taxa Selic antes de buscar um financiamento imobiliário. Após a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), no último dia 8, a taxa Selic atingiu a marca de 9,25% ao ano, que representa a sétima alta do ano por conta, principalmente, da pandemia da Covid-19.

Apesar da alta, o financiamento imobiliário, levando em consideração a taxa Selic, ainda é uma boa alternativa para aqueles que buscam a casa ou o apartamento dos sonhos. Além disso, a inflação também é controlada com um incentivo maior, com a busca, por exemplo, de financiamentos imobiliários. Apesar das altas crescentes na taxa Selic, o Brasil ainda segue com uma taxa relativamente baixa comparada com anos anteriores.