Tempo de leitura: 3 minutos

As perspectivas do mercado imobiliário são otimistas. Dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) indicam um crescimento do crédito imobiliário de 33,3% entre os primeiros trimestres de 2018 e 2019, encerrando, segundo especialistas, um ciclo de retração.

Os investidores responderam ao aumento do crédito. Em junho de 2019, segundo o relatório da Abecip, 22,3 mil imóveis foram financiados nas modalidades de aquisição e construção. Um índice 13,4% superior ao mesmo período do ano anterior.

Esses dados indicam uma projeção positiva para o setor imobiliário. Ou seja, é hora de investir na compra de imóveis, pois o patrimônio tende a valorizar. Veja, a seguir, novidades que colaboram para o aquecimento do mercado.

Facilidade de crédito

O crédito para financiamento de imóveis aumentou em decorrência da redução da taxa Selic, sobre a qual os bancos e financeiras baseiam as operações financeiras.

Atualmente, ela está em 4,35% ao ano e não deve ultrapassar os 6% até dezembro, conforme a meta do governo. Os juros também são impactados pelo índice, ocasionando melhores condições de negociação entre construtoras, imobiliárias e compradores.

Novo teto do FGTS

Outra medida que facilitou o crédito foi o aumento do teto para financiamento de imóveis na modalidade que permite o uso do FGTS, com juros menores do que as outras formas de crédito. No final de 2018, o valor máximo do imóvel a ser financiado era de R$ 950 mil em algumas regiões do país. Hoje, ele chega a R$ 1,5 milhão no Brasil inteiro.

Entradas menores

Paralelamente à redução da taxa Selic e dos juros, o financiamento para aquisição de imóveis aumentou de 70% para 80%. Isso significa que a entrada reduziu de 30% para 20%. Há, então, um grande facilitador na hora de fechar o negócio, pois o comprador não terá que esperar mais tanto tempo para adquirir um imóvel.

Tecnologia

A tecnologia está em todos os setores. No imobiliário, ela entra como uma forma de otimizar o tempo, facilitar processos e procedimentos e modernizar as construções. Com o auxílio da tecnologia por meio de softwares de gestão e impressoras 3D, por exemplo, a obra se torna mais rápida e econômica.

O resultado é composto de edifícios entregues em menos tempo e com a inclusão de tecnologias, como câmeras de vigilância, sensores de presença, portarias virtuais, sistemas que reduzem o consumo de água e energia elétrica, entre outros que valorizam os imóveis.

Plataformas digitais também auxiliam na compra, pois o cliente pode ter uma ideia exata de como é o imóvel antes mesmo da visita, por meio de um tour em 360 graus. Além disso, softwares fazem a simulação do financiamento para que o cliente escolha a forma de pagamento diretamente na imobiliária, sem burocracia.

Portanto, como você viu neste artigo, as perspectivas do mercado imobiliário são as melhores possíveis e favorecem o investimento. Com crédito facilitado, taxas reduzidas, entradas menores e as vantagens proporcionadas pela tecnologia, você pode comprar um imóvel hoje mesmo e sair do aluguel.

Este artigo foi útil para você? Comente abaixo!