Tempo de leitura: 4 minutos

Para quem vai investir na aquisição de imóveis na planta, é muito importante planejar o fluxo de pagamento das parcelas da propriedade durante o período de construção.

A opção de comprar um apartamento durante a construção do imóvel é uma forma de garantir algumas vantagens na aquisição da propriedade que está em lançamento. Além disso, esse pode ser um excelente negócio para quem deseja realizar um investimento lucrativo.

Quer saber como investir bem comprando um imóvel na planta e não se perder na hora das parcelas dos pagamentos? Confira como organizar o seu fluxo de pagamento na compra de imóveis na planta!

Como funciona a compra de um imóvel na planta financiado direto com a construtora?

O financiamento de um imóvel na planta direto com a construtora oferece aos investidores vantagens que tornam a aquisição mais vantajosa e lucrativa. Uma das formas de tornar essa compra mais atrativa é pelas taxas de juros e condições de pagamento diferenciadas pela empreiteira.

Como o tempo de construção é um fator positivo para fazer a quitação de parte do imóvel, os juros praticados são mais baixos do que os praticados pelas instituições bancárias. Por isso, a grande vantagem desse período de construção é planejar fluxos de pagamento, permitindo que ao longo do período alguns balões extras de investimento possam ajudar a reduzir o montante final da dívida que será financiada após a entrega das chaves.

Quais as diferentes modalidades de entrada nessa opção de compra?

Comprar e financiar um imóvel na planta requer um planejamento com relação aos pagamentos. Durante o período de execução da obra, que geralmente é de 12 a 36 meses, o comprador poderá pagar de três formas: à vista, somente a entrada ou a entrada e as primeiras parcelas.

No pagamento da entrada à vista, o comprador pode negociar os valores e conseguir um desconto que torna ainda mais lucrativa a compra do imóvel na planta. Geralmente as edificações em construção costumam sofrer uma valorização de 20% a 40% depois da finalização das obras.

No caso de pagar só a entrada, o valor é diluído no número de meses restantes para a conclusão das obras, acrescido dos juros de contrato. Nesse período, o investidor precisa criar um fluxo de pagamento que permita além da quitação das parcelas, fazer uma pequena reserva para ter garantias ao longo do período de financiamento depois da entrada das chaves.

A opção de pagar a entrada e as primeiras parcelas precisa da organização de um fluxo de pagamento. As parcelas são calculadas levando em consideração o tempo de construção restante. Durante esse período o pagamento se refere ao financiamento da obra, então são programados balões semestrais ou anuais que são utilizados para quitação da entrada. Essa forma de pagamento reduz o montante da dívida a ser financiada após a entrega das chaves.

Como diluir o pagamento da entrada durante o período de construção?

Na compra de um imóvel na planta, o valor da entrada é de cerca de 20% a 30% do preço final da edificação. Na prática, se a propriedade custa R$ 100 mil o cálculo das prestações se dá pelo valor do empreendimento dividido pelo número de meses até a entrega prevista das chaves, acrescido dos juros praticados no período.

O valor da entrada pode ser fixado em R$25 mil, divididos em 24 meses. No caso, a prestação seria de R$ 1.041,66 mais a taxa de juros. Essas parcelas são calculadas até a entrega das chaves, depois será realizado um financiamento, seja ele direto com a construtora ou com uma instituição bancária.

Quais as variações que podem compor o contrato de compra de imóvel na planta?

Durante o período de contrato de direito de aquisição de um imóvel na planta, é possível que o valor das parcelas seja ajustado pelo INCC (Índice Nacional da Construção Civil) — no entanto, isso deve estar especificado no documento.

A correção ocorre sobre o saldo devedor do imóvel, o que gera um aumento no valor final da compra. Ao final da obra, quanto menor o montante da dívida com a aquisição, mais fácil será o financiamento da propriedade, além de reduzir as taxas de juros e prazo de pagamento.

Ao comprar um imóvel na planta, o investidor está buscando negócios lucrativos, que valorizem após a finalização da obra. Portanto, para reduzir ainda mais os custos, a dica é para essa modalidade de aquisição de imóveis é fazer o pagamento da maior parcela do valor da edificação ainda durante o período de construção.

Com isso, na entrega das chaves, no momento do financiamento do restante da dívida, o prazo de pagamento e as parcelas são menores, tornando o preço final do imóvel mais baixo.E aí, entendeu como funciona o fluxo de pagamento para imóveis na planta? Então, aproveite a visita para entrar em contato conosco e conhecer as nossas opções de investimento para você!