Casal decidindo qual será a decisão do próximo imóvel
Tempo de leitura: 3 minutos

Adquirir um imóvel é o grande objetivo de boa parte das pessoas, verdade? Sair do aluguel e aumentar o patrimônio são excelentes motivos para isso. Em busca da meta, muita gente recorre a algum tipo de financiamento ou programa habitacional, como o Minha Casa Minha Vida, que possui diversas faixas de renda.

Se você tem alguma dúvida a respeito do assunto, não deixe de ler este post. Aqui você entenderá melhor o funcionamento do programa, o que é analisado para a realização do cadastro e quais são as faixas de renda do Minha Casa Minha Vida. Acompanhe!

O que é o Minha Casa Minha Vida?

Trata-se de um programa habitacional do Governo Federal cujo objetivo é promover a aquisição de imóveis para moradia. O principal obstáculo para a compra de uma casa ou apartamento costuma ser a questão financeira.

Desse modo, o Minha Casa Minha Vida surgiu para facilitar o financiamento imobiliário, pois oferece condições especiais, como juros mais baixos e disponibilização de subsídios. O programa entrega as seguintes vantagens:

  • pagamento de parte do imóvel;
  • disponibilização de subsídio, que é o pagamento de parte da entrada do financiamento;
  • redução do valor do seguro cobrado em financiamentos habitacionais;
  • oferecimento de taxas de juros menores, resultando em prestações mais baixas.

Quais são os pré-requisitos analisados para realizar o cadastro?

Nem todos podem ser beneficiados pelo programa. É preciso apresentar enquadramento em algumas normas, como:

  • nunca ter participado de outro programa habitacional do governo, seja federal, estadual ou municipal;
  • ser maior de 18 anos;
  • renda familiar de até R$ 7 mil mensais;
  • ter no mínimo três anos de registro em carteira de trabalho;
  • residir ou trabalhar há ao menos um ano no município onde se pretende comprar o imóvel;
  • não possuir outro imóvel. No caso de ter um terreno, não pode haver construção no local.

Além disso, o imóvel também precisa estar dentro de algumas diretrizes. É necessário que seja novo ou adquirido na planta, por exemplo. A propriedade ainda deve ser exclusiva para moradia e localizada no município em que o beneficiário reside ou trabalha.

Os bens adquiridos por meio das faixas 1 e 1,5 não podem ser vendidos, ao contrário daqueles envolvendo as faixas 2 e 3. Entretanto, o beneficiário fica proibido de voltar a participar do programa novamente.

Quais são as faixas de renda do Minha Casa Minha Vida?

São oferecidas condições específicas de acordo com a faixa de renda familiar. A seguir, conheça os detalhes de cada uma.

Faixa 1: renda mensal de até R$ 1,8 mil

Nesse caso, o governo financia a maior parte do valor do imóvel. O financiamento pode ser feito em até 120 meses, com prestações variando entre R$ 80 e R$ 270, sempre segundo a renda bruta.

Faixa 1,5: renda mensal de até R$ 2,6 mil

Pessoas com renda de até R$ 2,6 mil mensais podem conseguir um financiamento com prazo de 30 anos e juros de 5% ao ano. Além disso, o governo disponibiliza subsídios capazes de atingir R$ 47,5 mil.

Faixa 2: renda mensal de até R$ 4 mil

Para quem se enquadra nessa faixa, os subsídios chegam a até R$ 29 mil. O financiamento pode vigorar no máximo 30 anos, com juros de 5,5% a 7% ao ano.

Faixa 3: renda mensal de até R$ 7 mil

Nessa faixa não existe a possibilidade de receber subsídio. No entanto, o governo entrega taxas de juros diferenciadas em relação ao mercado. Vale lembrar que o valor máximo do imóvel varia segundo estado ou região, portanto é preciso verificar as condições junto à prefeitura ou construtora de confiança.

Conseguiu identificar em qual faixa de renda do Minha Casa Minha Vida você se enquadra? Conforme observamos, os benefícios do programa são vários, e optar por ele é uma solução extremamente eficaz para adquirir o seu imóvel.

Se você quer saber mais sobre o programa ou pretende participar dele, entre em contato conosco e veja como podemos ajudá-lo!